Quem fala o que não deve…

A Georgina é a pessoa mais espirituosa que eu já conheci. Garota inteligente, com boas sacadas. Ela odiava a aula de Educação Física. Quer dizer, ela, a torcida do Corinthians e a do Flamengo. Também, né, com um professor daqueles, não tinha ser que resistia. Todos o conheciam como ‘Laranja-mecânica’.

O único esporte que a Georgina gostava era kung-fu. De resto, odiava tudo. O professor, para expiar a culpa da sala toda, sempre implicava com a coitadinha. Certo dia, a vingança chegou. Demorou três anos, mas chegou.

“Georgina, você faz kung-fu, né?’

E Georgina, enfadada e irônica, respondeu que sim.

O professor então ficou em um pé só, ergueu e flexionou levemente o joelho para a frente e abriu os braços formando metade de um quadrado.

“Georgina, tem essa posição no kung-fu?”

E, a garota, do alto de sua espiritualidade, naquilo que eu chamaria de ápice de sua carreira, mirou o professor bem fundo e respondeu:

“Não, professor… no kung-fu não tem pose de viado…”

Georgina é o meu parâmetro de humor fino e inteligente.