Nauseabunda

“Preso à minha classe e a algumas roupas,
vou de branco pela rua cinzenta.
Melancolias, mercadorias, espreitam-me.
Devo seguir até o enjôo?
Posso, sem armas, revoltar-me?”

(A Flor e a Náusea – In: A Rosa do Povo, de Carlos Drummond de Andrade)