Ao embalo de… #2

tranco-me num quarto minguante
alegre mas com lágrimas nos olhos
dou-lhe de presente um piolho
e a memória de meu corpo ausente
há festa, minha festa no escuro
nenhuma fresta de luz no muro
lá fora é meia noite
por dentro sou noite inteira
aplico-me um belo açoite
estou nua, estou cheia (é lua)
nenhuma visão de presente
profeta do passado, eu juro
tranco-me num quarto crescente
proveta do futuro e duro
jogo o terço do quarto no quintal
faço dessa alma um quartel
saio fora do real
e rasgo seus escudos de papel
pois é chegada a hora de pular da alcova
da cova e sapatear no campo minado
munido de vida nova
lá fora é meia noite
por dentro sou noite inteira
aplico-me um belo açoite
estou nua, estou cheia

(Alunissado, de KAH-HUM-KAH)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s