post das sensações

da grama úmida embaixo da gente, da luz do sol atravessando os galhos das árvores sobre nossas cabeças, do chão do parque com limo sob nossos pés. do matinho que cresce entre um tijolinho e outro, da garoa fina que arrepia o cabelo, da mão que fica cor-sim-cor-não quando estamos juntos. do geladinho dos lábios depois de um gole d’água, do halls de melancia que você tanto gosta, do beijo de mansinho dado com carinho do mundo. do abraço que vem sem motivo, assim do nada, pela simples vontade de sentir o outro em você. do rosto sendo acariciado com amor, do olhar pousando de leve no meu.

das mãos se separando, das bocas se separando.

de como é não saber quem você é, o que você é, até quando isso vai durar.