Eu vou te dar, eu vou te dar alegria

Bobinha que sou, algumas vezes tenho medo de expressar minha felicidade quando alguém próximo não está muito bem. Assim, em um gesto mezzo altruísta, mezzo egoísta. A tendência nesses momentos é eu fingir que nada de extraordinário está se passando e que a rotina segue o curso natural de sempre. Desculpa, mãe, desculpa, pai, desculpa, amigos do cursinho, desculpa todo mundo que não anda lá essas maravilhas. A verdade é que a única coisa que consigo pensar é “meu Deus, como me sinto infinitamente melhor agora”. Tem alguma alegriazinha se pronunciando aqui dentro, daquelas raridades que dá até frio na barriga de imaginar o tamanhão que pode vir a ser.