Meu amigo, o cão

Da calçada, no outro lado da rua, ele me avistou. Abanou o rabo. Me aproximei, fiz cafuné no pêlo dourado e ele fechou os olhinhos. “Bom dia”, a dona me disse. E eu, que nunca tinha visto aquela senhora, fiquei feliz por ter ganho um bom dia de desconhecido.”Bom dia”, respondi.

Pêlo macio.