Com um T bem grande

O maestro Agenor é de Poços de Caldas, Minas Gerais. Quando rege a Orquestra Sinfônica da cidade, qualquer um nota o empenho e a vontade, mas, sobretudo, a paixão.

* * *

Tive a oportunidade de passar por, digamos, quatro cursos superiores: concluí o de Jornalismo, fui três dias no de Letras, dois no de Ciências Econômicas e estou há pouco menos de dois semestres no de Direito.

O que mais eu gostava em Jornalismo é que quem estava lá estava por amor – o dinheiro nem de longe compensa, o trabalho é duro, a profissão traz menos glamour do que se imagina por aí. Era amor puro, paixão, tesão em falar com a fonte, levar cinco nãos, escrever um texto que será cortado pela metade. Não vejo muito isso no Direito e sinto falta.

* * *

Um amigo sempre me diz que a melhor coisa é acordar numa segunda-feira e pensar “nossa, vou trabalhar no que amo, que gostoso!”.

* * *

O que leva uma pessoa a abandonar o que ama, o que faz feliz, o que preenche? Pelo menos pra mim, a paixão, poucas vezes, foi o caminho mais fácil a ser cumprido.