Pedido

Uma das qualidades que eu mais admiro em alguém é a doçura. Não uma doçura boba ou ingênua, mas algo consciente, que chega de repente e não é constante. Essa doçura é difícil: requer cuidado e atenção.

Se eu pudesse pedir uma coisa pra 2011, pediria para ser mais doce.

Quando acaba

Quando acaba, se ele gostava de Los Hermanos, percebo que amo mais ainda Pink Floyd. Se ele gostava de Beatles, ouço Noel até pedir chega. Se é de teatro, vou por cinco finais de semana seguidos ao samba. Augusta? Prefiro Moema. Se era dos Jardins, um bom boteco vai bem. Porque, mais gostoso do que se descobrir, é se descobrir inteiramente outra em outra pessoa, pra se perder nele, se encontrar nele e em você, se perder em você e precisar se encontrar.

Aliás, ouvindo “Lucky Man”, do The Verve. Acho que estou até gostando, até 😉

Desencontros

Saber que há dez, nove, seis, quatro meses, a pessoa estava no prédio ao lado, todas as noites, em todos os dias da semana, e o bar também era o mesmo, todas as noites, todos os dias da semana. E agora, que ela está ora em um estado, ora em outro, é que vocês se conhecem. Injusto é pouco.